fbpx

A dieta cetogênica ficou conhecida como tratamento terapêutico na década de 1920, quando mostrou efeitos positivos em crianças com epilepsia pediátrica. Mas a dieta também ajuda a tratar outros distúrbios neurológicos? Os estudos continuam a explorar em que medida a dieta cetogênica pode ser usada como terapia em relação a distúrbios neurológicos. 

O que são distúrbios neurológicos?

Os distúrbios neurológicos são uma classe de doenças que afetam o cérebro, coluna vertebral e nervos. Existem mais de 600 doenças diferentes do sistema nervoso, muitas das quais estão aumentando em frequência e sem modalidades eficazes de tratamento.

Doenças Cerebrais e Glicose 

Embora toda doença do cérebro tenha características próprias, um tema que a maioria tem em comum é metabolismo cerebral comprometido da glicoseou a incapacidade do cérebro obter energia suficiente da glicose. 

Existem vários contribuintes importantes para o metabolismo cerebral comprometido da glicose, mas o envelhecimento é um dos maiores. 

No entanto, a glicose não é a única fonte de combustível que pode ser usada pelo cérebro. As cetonas, criadas através da restrição de carboidratos ou restrição calórica severa, também podem ser usadas pelo cérebro. De fato, a pesquisa mostra que os corpos cetônicos são a fonte de combustível preferida do cérebro humano, o que significa que, quando a glicose e as cetonas estão presentes, o cérebro prefere absorver cetonas. Além disso, as cetonas podem fornecer mais combustível para o cérebro em comparação à glicose, e são consideradas uma fonte de combustível "mais limpa" porque produzem menos estresse oxidativo quando são metabolizadas em comparação à glicose. Finalmente, a pesquisa demonstrou que a captação de cetona no cérebro não diminui com a idade, o que significa que essa fonte superior de combustível ainda pode fornecer energia ao cérebro quando a glicose não.

Embora alavancar cetonas para obter energia não seja a única maneira de o ceto afetar as doenças cerebrais, é um mecanismo imenso que justifica a consideração do uso da dieta cetogênica em vários distúrbios neurológicos diferentes. 

Ceto e Epilepsia

Muitas pessoas não percebem que a dieta cetogênica foi criada por sua capacidade de tratar a epilepsia pediátrica. 

A epilepsia é uma das condições neurológicas graves mais comuns no mundo e é caracterizada por atividade anormal das células cerebrais, resultando em convulsões recorrentes. 

Curiosamente, as recomendações de jejum para a saúde foram registradas pela primeira vez em 500 aC e eventualmente se tornaram a principal abordagem terapêutica para a epilepsia. Mas na década de 1920, verificou-se que uma dieta rica em gordura e pobre em carboidratos era capaz de imitar os efeitos do jejum no controle de crises, apenas com a capacidade de ainda comer alimentos. Assim, nasceu a dieta cetogênica.

No entanto, à medida que a criação e o uso de medicamentos antiepiléticos aumentavam, a dieta cetogênica tornou-se uma opção esquecida. Agora, as opções de tratamento mais populares para a epilepsia são medicamentos farmacêuticos, cirurgia e estimulação do nervo vagal, dois dos quais são mais invasivos em termos médicos.

Mas o uso de tais tratamentos, especialmente medicamentos, tem um custo, especificamente os efeitos colaterais que acompanham seu uso, como tonturas, náuseas, vertigens e fadiga, entre muitos outros. Além disso, 25% das crianças não respondem aos medicamentos antiepiléticos, e aqueles que normalmente desenvolvem resistência ao medicamento, exigem troca frequente de medicamentos, apenas para desenvolver resistência e precisam mudar novamente.

Isso levanta a questão: qual o êxito da dieta cetogênica para a epilepsia? A literatura médica sugere uma taxa de sucesso de quase 60% em pacientes que utilizam o ceto para controle de crises. Esta é uma notícia especialmente boa, considerando que a dieta cetogênica não é encontrada com os mesmos efeitos colaterais e resistências aos medicamentos antiepiléticos. 

Ainda não se sabe por que a dieta cetogênica ajuda a prevenir convulsões, mas a crença é que a mudança no metabolismo que ocorre na dieta desempenha um papel importante no efeito anticonvulsivo. Além disso, além de criar mais energia disponível para o cérebro, a dieta ceto demonstrou a capacidade de aumentar a síntese do GABA, um neurotransmissor no cérebro que reduz a excitabilidade das células cerebrais, reduzindo o risco de convulsões.

Como resultado, acredita-se que o ceto também pode ajudar a gerenciar outras condições que resultam em convulsões, como síndrome de Rett, espasmos infantis, síndrome de Dravet e complexo de esclerose tuberosa, síndrome de deficiência de GLUT1 e síndrome de Doose; no entanto, são necessárias muito mais pesquisas nesses casos específicos.

Doença de Keto e Alzheimer

Estima-se que 5,8 milhões de americanos atualmente têm a doença de Alzheimer (DA). A doença de Alzheimer é um distúrbio neurodegenerativo progressivo que se caracteriza por um declínio na memória e na linguagem. Aqueles que sofrem de DA demonstram um acúmulo de placas amilóides (grupos de beta-amiloides, que destroem as conexões entre as células nervosas) e emaranhados de proteínas tau (um emaranhado neurofibrilar e marcador comum de DA) dentro do cérebro; juntos, eles desempenham um grande papel na progressão e nos sintomas da doença. Atualmente, acredita-se que a DA possa ser resultado de fatores ambientais, de estilo de vida e genéticos. Também se acredita que uma dieta cetogênica pode ter efeitos positivos em pacientes com DA. 

Um dos sinais mais comuns e iniciais da DA é um déficit de energia no cérebro. Aqueles que sofrem de DA têm resistência à insulina no cérebro, o que causa um metabolismo prejudicado da glicose, levando a esse déficit de energia. Essa característica da DA levou muitos a se referirem à doença como "diabetes tipo III".

Essa característica da DA também é uma das maiores razões pelas quais uma dieta cetogênica deve ser considerada para pessoas com Alzheimer. Como mencionado acima, as cetonas são capazes de fornecer energia ao cérebro por caminhos independentes da ação da insulina. Isso significa que essas cetonas podem fornecer combustível mesmo para o cérebro resistente à insulina.

No entanto, o poder de uma dieta cetogênica para a DA não é apenas um resultado da redução do déficit de energia. Pesquisas em animais demonstraram que a dieta cetogênica pode reduzir os níveis das placas amilóides mencionadas acima, que também caracterizam a DA; no entanto, são necessárias muito mais pesquisas para determinar se isso ocorre em humanos. Também sabemos que as cetonas são neuroprotetor, o que significa que eles podem ajudar a reduzir a inflamação, o que é importante para prevenir ou retardar a deterioração mental ao longo do tempo.

Keto ganhou força no tratamento da doença de Alzheimer graças à Dra. Mary Newport, autora de O livro completo de cetonas, que descobriram que a indução de cetose por meio de uma dieta cetônica e o uso de óleo de coco, Óleo MCTe cetonas exógenas, todos melhoraram drasticamente os sintomas de DA do marido. 

Desde então, a dieta cetogênica tem sido usada com mais frequência em pesquisas e tem demonstrado uma forte correlação entre níveis de cetose e melhorias no desempenho cognitivo em indivíduos que sofrem de DA.

É importante notar que precisamos de muito mais pesquisa em humanos para determinar o melhor uso da dieta ceto-cetogênica e de compostos cetogênicos para reduzir o risco e / ou tratamento da doença de Alzheimer. Também não está totalmente esclarecido se a dieta cetogênica pode demonstrar melhorias para todos os indivíduos, já que a pesquisa não produziu os mesmos resultados em indivíduos com DA que possuem o gene ApoE4, que está associado ao maior risco de Alzheimer. 

Doença de Keto e Parkinson

A doença de Parkinson (DP) é outra doença neurodegenerativa que se manifesta através de movimentos prejudicados e afeta 1 a 2 por cento das pessoas com mais de 65 anos.

A DP é causada pela morte de neurônios no substantia nigra (uma camada de substância cinzenta do mesencéfalo) e cria imensos problemas motores que afetam a vida cotidiana, incluindo movimento lento e instável e interrupção do Gânglios basais (estruturas ligadas ao tálamo na base do cérebro envolvidas na coordenação do movimento).

Os primeiros sintomas da DP incluem movimentos rígidos, tremores ou tremores e movimentos lentos. Os sintomas avançados incluem demência, depressão e dificuldade para caminhar e conversar.

Os gânglios da base controlam as funções do "piloto automático" do cérebro, como caminhadas ou tarefas motoras básicas, explicando assim muitos dos sintomas da DP. A morte de neurônios na substância negra é causada pelo comprometimento da atividade do complexo mitocondrial 1, que compromete a atividade mitocondrial e resulta em déficit de energia.

A atividade mitocondrial prejudicada e a falta de energia cerebral permitem que a dieta cetogênica seja novamente considerada como uma opção de tratamento viável.

Embora a pesquisa ainda seja limitada, um estudo publicado em 2005 demonstrou que os indivíduos que foram capazes de aderir à dieta cetogênica por 28 dias experimentaram melhorias significativas na escala unificada de classificação da doença de Parkinson.

Embora o estudo mostre um tamanho de amostra muito pequeno, ele oferece esperança promissora no tratamento da doença de Parkinson e dá razões para explorar ainda mais o uso da dieta cetogênica.

Esclerose lateral ceto e amiotrófica

A esclerose lateral amiotrófica (ELA), também conhecida como doença de Lou Gehrig, é uma doença neurodegenerativa progressiva que afeta os neurônios motores e acaba levando à paralisia e à morte. 

A morte por ELA normalmente ocorre de 2 a 5 anos após o início dos sintomas e atualmente, a única terapia aprovada pela FDA para ELA prolonga a sobrevida em apenas 2 a 3 meses.

Cerca de 6.000 pessoas nos EUA são diagnosticadas com ELA a cada ano e, até o momento, nenhuma cura foi encontrada. Os sintomas da ELA incluem perda da função motora, respiração prejudicada, perda ou dificuldade para falar, dificuldade para comer e perda de massa muscular. 

Enquanto os pesquisadores ainda estão trabalhando para determinar a causa exata da ELA, parece que, como a epilepsia, a doença de Alzheimer e a doença de Parkinson, o metabolismo cerebral disfuncional desempenha um papel importante.

Embora a pesquisa disponível aqui também seja pequena, a capacidade do ceto de reduzir a inflamação e melhorar o balanço energético no cérebro dá razões para considerar seu uso no tratamento da ELA.

Um estudo em animal investigou os efeitos de uma dieta cetogênica na ELA. Os resultados demonstraram melhora no desempenho físico, função mitocondrial e produção de ATP, porém não aumentaram o tempo de sobrevida. Por esse motivo, é necessária muita pesquisa para verificar se existem ajustes que podem ser feitos na dieta para ajudar a melhorar o tempo de sobrevivência. 

Ceto e esclerose múltipla

A esclerose múltipla (EM) tem sido tradicionalmente vista como uma doença inflamatória auto-imune, resultando em danos à mielina (bainhas protetoras que cobrem as células nervosas) dos neurônios. Pensa-se que os danos à mielina sejam os principais contribuintes para os sintomas da EM, que são dormência, função e coordenação muscular prejudicadas, fala prejudicada, visão deficiente e fadiga severa. 

Aqueles que sofrem de EM geralmente apresentam sintomas em ciclos, o que significa que os sintomas aparecem, desaparecem e depois voltam, geralmente piorando cada vez que retornam.

Pesquisadores identificaram que a disfunção mitocondrial desempenha um papel na progressão da EM. Infelizmente, faltam dados para avaliar os efeitos da dieta cetogênica na EM. No entanto, agora há pesquisas em andamento por Dr. Terry Wahls, e um artigo de revisão recente destacou vários mecanismos teóricos pelos quais a dieta cetogênica pode melhorar os sintomas da SM, incluindo limitar a neurodegeneração, melhorar a função mitocondrial, promover a biogênese mitocondrial, aumentar a produção de ATP e reduzir o dano oxidativo.

Ceto e autismo

O autismo é um distúrbio do desenvolvimento que afeta o sistema nervoso. Embora exista um espectro de sintomas para o autismo, o distúrbio é caracterizado principalmente por comportamentos repetitivos e compulsivos. Além disso, pessoas com autismo apresentam função mitocondrial prejudicada e metabolismo da glicose. Isso novamente dá motivos para considerar a dieta cetogênica como um tratamento eficaz.

Um estudo de 2002 que examinou os efeitos de uma dieta cetogênica em 30 crianças com autismo, com idades entre 4 e 10 anos, apresentou resultados muito promissores. Enquanto 7 crianças tiveram dificuldades em tolerar a dieta e 5 foram capazes de aderir por 2 meses, 18 crianças foram capazes de seguir a dieta cetogênica por 6 meses. Este estudo constatou que 2 dos pacientes apresentaram melhorias significativas na escala de classificação do autismo infantil, 8 pacientes apresentaram melhorias médias e 8 pacientes tiveram melhorias leves.

Apesar do pequeno tamanho da amostra do estudo, os resultados indicam que devemos realizar mais pesquisas sobre o uso do ceto no autismo, especialmente porque o ceto pode melhorar a saúde intestinal, que também é frequentemente prejudicada em crianças com autismo. 

Ceto e lesão cerebral traumática

Lesões cerebrais traumáticas (TCE) são comuns em esportes de contato, bem como em acidentes de carro e no local de trabalho. O TCE está associado ao comprometimento da produção de energia cerebral, bem como ao aumento da produção de radicais livres. Assim como as outras condições listadas neste artigo, o TCE também pode ser tratado positivamente com uma dieta cetogênica. 

Quando ocorre um traumatismo craniano, cria um grande déficit de energia no cérebro. Para compensar a perda, o cérebro regula positivamente a glicólise e metaboliza a glicose a uma taxa acelerada. Isso eventualmente leva à resistência à insulina no cérebro, o que cria um déficit de energia e estimula a inflamação.

Porém, pesquisas demonstraram que os transportadores de cetona são elevados após um TCE, quase como se o cérebro estivesse solicitando cetonas durante esse período. Embora a pesquisa sobre o assunto tenha sido realizada apenas em animais, há boas razões para acreditar que a dieta cetológica e o uso de suplementos de cetona possam ser benéficos aqui, especialmente porque as cetonas podem atender à demanda de energia do cérebro durante esse período, impedir a resistência à insulina, e reduzir a neuroinflamação.

Ceto e enxaqueca

A enxaqueca é caracterizada por ataques recorrentes de dor neurovascular desencadeada por fatores genéticos ou ambientais ou ambos. Embora a causa exata da enxaqueca não seja conhecida, acredita-se que os neurônios excitados, a falta de energia adequada e o desequilíbrio nas substâncias químicas do cérebro tenham um papel importante.

A maioria das evidências para o uso da dieta cetogênica no combate à enxaqueca é anedótica, mas existem alguns mecanismos que dão credibilidade a essa evidência: além de melhorar a energia do cérebro, o ceto pode ajudar a acalmar os neurônios excitados e bloquear neurotransmissores como o glutamato, que é encontrado em grandes quantidades naqueles que sofrem de enxaqueca e geralmente é direcionado por medicamentos prescritos para aqueles que sofrem de enxaqueca.

Recentemente, uma revisão analisou 7 estudos que examinaram os efeitos de uma dieta cetogênica nas enxaquecas em mais de 150 pacientes e constatou que 6 dos 7 estudos demonstraram que a dieta cetogênica era eficaz na redução da frequência e intensidade das enxaquecas. Os pesquisadores envolvidos sugeriram que são necessárias mais pesquisas, mas dados preliminares sugerem que os efeitos estabilizadores da dieta cetogênica podem melhorar os sintomas relacionados à enxaqueca.

Enquanto a pesquisa ainda está iniciada, há pessoas que não estão esperando para começar a causar impacto na dieta cetogênica, incluindo Dra. Angela Stanton, que desenvolveu seu próprio protocolo de enxaqueca que inclui uma dieta cetogênica modificada.

A palavra final

Há muitas evidências que sugerem que a dieta cetogênica pode ser promissora no tratamento de doenças neurológicas, mas precisamos de muito mais pesquisa antes que ela se torne parte do padrão de tratamento ou terapia adjuvante. 

Os mecanismos pelos quais o keto pode inserir seus benefícios nas diversas condições mencionadas neste artigo são ótimos para iniciar a conversa; no entanto, serão necessários muitos outros ensaios clínicos antes que os médicos comecem a prescrever a dieta para esses vários distúrbios. Esperamos ansiosamente mais pesquisas e resultados para melhor disseminar a conscientização sobre o tópico cada vez mais popular da dieta cetogênica para distúrbios neurológicos. 

Referências

cta-booklet

Não está na nossa lista de discussão?
Inscreva-se e receba 3 receitas fáceis e gourmet do jantar Keto-Mojo!

Na Keto-Mojo, acreditamos no compartilhamento - compartilhando importantes notícias, ciências e estudos da comunidade keto, ótimas receitas de ceto, produtos que amamos e perfis de pessoas que nos inspiram.

Entre na nossa comunidade agora e obtenha 3 receitas exclusivas não encontradas em nosso site.

Show Buttons
Hide Buttons
X